terça-feira, 22 de março de 2011

Uso Racional de Medicamentos




Os medicamentos modernos ocupam um papel importante nos sistemas sanitários, pois salvam vidas e melhoram a saúde. No entanto, existem milhões de pessoas com doenças comuns, como pneumonia, malária, tuberculose, hipertensão e outras tantas enfermidades, sujeitas a vicissitudes freqüentemente relacionadas aos tratamentos medicamentosos. Como exemplos, temos: falta de acesso a um tratamento adequado ou a recursos para sua aquisição; uso de medicamentos de baixa qualidade, resultando em processos falhos de seleção, abastecimento e controle da qualidade; erros de medicação – tais como dose errada, medicamento errado, posologia errada, duração errada etc.; falta de orientação quanto ao tratamento –, resultando em baixa adesão, mau uso, inefetividade.

A promoção do uso racional de medicamentos é um componente muito importante de uma política nacional de medicamentos. Por exemplo, dado o fato de que o SUS registrou, em 1996, 318 milhões de consultas médicas e 12 milhões de internações hospitalares e, do momento que o medicamento é importante ferramenta terapêutica e muitas vezes resultante do processo de prescrição, pode-se inferir a importância dos medicamentos nesse processo (BRASIL, 1998).

O uso racional ocorre quando o paciente recebe o medicamento apropriado à sua necessidade clínica, na dose e posologia corretas, por um período de tempo adequado e ao menor custo para si e para a comunidade (MANAGEMENT, 1997). Dessa forma, o uso racional de medicamentos inclui:

  • Escolha terapêutica adequada (é necessário o uso de terapêuticamedicamentosa);
  • Indicação apropriada, ou seja, a razão para prescrever está baseada em evidências
  • clínicas;
  • Medicamento apropriado, considerando eficácia, segurança, conveniência para o
  • paciente e custo;
  • Dose, administração e duração do tratamento apropriados;
  • Paciente apropriado, isto é, inexistência de contra-indicação e mínima probabilidade
  • de reações adversas; dispensação correta, incluindo informação apropriada sobre
  • medicamentos prescritos;
  • Adesão ao tratamento pelo paciente;
  • Seguimento dos efeitos desejados e de possíveis eventos adversos conseqüentes de tratamento.
Segundo Le Grand; Hogerzeil & amp; Haaijer-Ruskamp (1999), o uso irracional de medicamentos é um importante problema de saúde pública em todo o mundo, com grandes conseqüências econômicas. Ainda segundo os mesmos autores, tem sido estimado que a prescrição incorreta possa acarretar gastos de 50 a 70% mais altos dos recursos governamentais destinados a medicamentos. Entretanto, quando utilizados apropriadamente, os medicamentos são os recursos terapêuticos mais freqüentemente custo-efetivos (McISAAC et al., 1994).

O URM envolve dois atores de forma fundamental: o prescritor e o paciente (individual ou coletivo). Estes atores interagem de forma dinâmica. O prescritor tem papel determinante na conduta do paciente, mas o paciente também, com suas expectativas, hábitos culturais entre outros. Poderá influenciar os hábitos prescritivos. A relação destes atores está permeada por uma série de questões que envolvem a capacidade de definição e implementação de uma política de medicamentos, as relações do mercado farmacêutico, particularmente no que se refere à propaganda médica, à organização da rede de serviços, em nível de educação da sociedade, a fatores culturais de um modo geral e ao arcabouço legal. Um outro ator também de grande importância é o dispensador, pois muitas interferências positivas ou negativas estão ligadas à forma como a dispensação acontece.

  
Unidade de Medicamentos e Tecnologia. Organização Panamericana da Saúde - OPAS/OMS. Setor de Embaixadas Norte - Lote 19 - CEP: 70800-400. Fone: (61) - 3251 9587 - Fax: (61) – 32519591. Estruturação: Dr. Orenzio  Soler. Profissional Nacional - Assistência Farmacêutica. Adaptado de: MARIN, N. (org.). Assistência farmacêutica para gerentes municipais. Organizado por Nelly Marin et al. Rio de Janeiro: OPAS/OMS, 2003. [373]p., ilus


Nenhum comentário:

Postar um comentário